Orgulho e Paixão: as vozes de quem resiste

Orgulho e Paixão chegou ao fim e deixou um monte de gente com o coração apertado. Sem grandes mistérios e reviravoltas, a novela conquistou o público exatamente pelo seu clima leve e descontraído, digno do horário das 18 horas. O trio Fred Mayrink (diretor), Marcos Bernstein e Victor Atherino (autores) têm do que se orgulhar. Inspirada em algumas obras da autora Jane Austen, a novela foi além e manteve a luta feminina forte e representativa do começo ao fim. Para momentos de firmeza, não temeu o horário e chamou atenção para a violência contra a mulher. Em momento leves, trouxe à telinha dois musicais, que surpreendeu e encantou o público. De tantas histórias, de tantas vozes, deixo aqui, cinco destaques da novela (mas conseguiria citar dez sem muitos esforços):

 

 

A história de Mariana

No início, a história da menina que precisou se vestir de homem para pode andar de motocicleta e competir (só era aceitável que homens fizessem isso) parecia um mero clichê, usado e abusado em diversas obras. Gil já premeditou: “Um dia vivi a ilusão de que ser homem bastaria, que o mundo masculino tudo me daria…”. Mas o disfarce de Mário durou o tempo que ela julgou necessário para ganhar a própria confiança na motocicleta e ganhar a corrida. Inclusive, cena em que ela revela ser mulher. Poderosa. Corajosa. Intensa. Assim como a cena em que é agredida por um homem, e tem seus cabelos cortados. Assim como a cena em que revela o abuso e assume seus cabelos curtos (incomum para a época). Mariana existe pelo Brasil afora. Mas em Mariana também existe Chandelly (Braz, a atriz que deu vida à personagem). E Chandelly mais uma vez se mostrou grande.

O&P - Mari na moto
Mariana como Mário (foto: Divulgação/TV Globo)

 

A força de Julieta

De vilã a uma das personagens mais amadas da novela. Julieta foi a maior surpresa, a maior descoberta. Quem, no início da trama a via de roupas pretas, fechadas e com o ar de desprezo, jamais imaginaria que, tudo isso, era fruto de um abuso, ainda menina. De um só não, de vários. Já que teve que casar com o estuprador. Como ela mesma se classificou (em uma cena com Mariana), Julieta pertence ao grupo das sobreviventes, e viveu inúmeras cenas dramáticas durante a novela (principalmente quando conta para seu amado Aurélio e para o filho Camilo, tudo que sofreu). Mas Julieta encontrou no amor o recomeço. E descobriu que falar, ajuda. Que denunciar é necessário. Julieta não sabe, mas até hoje as mulheres precisam de força até para denunciar. Julieta existe porque Gabriela Duarte também existe, e merece todo o mérito.

O&P - Julieta
Julieta em cena de “Orgulho e Paixão” (foto: divulgação/TV Globo)

 

Inúmeras e únicas: as irmãs Beneditos

Desde o começo da novela, dona Ofélia (vivida pela grande Vera Ortiz) sonhava só com uma coisa: que suas filhas casassem. O que ela não imaginava é que suas meninas viveriam muito mais que isso durante a suas trajetórias. Dentro das cinco “beneditos” havia mulheres fortes, destemidas, curiosas, desbravadoras e também, doces. Tenho certeza que cada telespectadora se reconheceu em alguma, ou em muitas delas.

 

A força pelo trabalho

Teve quem sempre desejasse trabalhar, como Elisabeta. E também teve quem nunca se viu trabalhando, como Ema. Mas teve também aqueles que, do começo ao final da trama, fizeram do trabalho a força motriz de sua vida, como Mariko e Januário. Descendente de japoneses, Mariko era uma das poucas mulheres médicas e sofria inúmeros preconceitos por conta do gênero e também por sua origem. E Januário, descendente de pessoas que foram escravizadas, o pintor lutou muito para que além de sua cor, sua profissão fosse respeitada. Ambos finalizaram a novela como os grandes vencedores merecem.

 

#LUTÁVIO

Além do feminino, Orgulho e Paixão ainda tem outra marca: protagonizou o primeiro beijo gay no horário das 18 horas. A gente se alegra, mas sabemos que isso já devia ser “regra” há muito tempo. #Lutávio (nome criado pelos fãs do casal) encantou o público com a sensibilidade de seus personagens e modo com que cada um deles foi sendo vencido pela força do amor.

 

O&P - Lutávio
Casal Lutávio, como apelidado pelos fãs nas redes sociais (foto: divulgação/TV Globo)

DIVULGAÇÃO/GLOBO

 

Em uma mistura entre o mau e o cômico, eu não poderia deixar de citar o prazer que tivemos de conhecer a bela dupla que Alessandra Negrini e Grace Giannoukas formam juntas. Do primeiro ao último capítulo, elas não perderam o fio e nos levaram aos risos, em meio ao ódio (mas, será que a gente odiou elas mesmo?).

Talvez Orgulho e Paixãonão seja e não se torne uma das novelas mais marcantes do horário das 18h. Tristeza maior é que esse horário não seja tão “famoso” quanto o das 21 horas. Mas, mesmo assim, concorre com força a melhor novela do ano. Em tempos de tanta luta das mulheres, a novela veio em um importantíssimo momento.

 

“Aqui, no Vale do Café (…) temos mulheres que, mais do que serem aquilo que supostamente nasceram para ser ou fazer, são o que querem ser…”

Elisabeta Benedito

Autora do texto:

Mariana VirgílioMariana Virgílio é Jornalismo, capricorniana, noveleira e formada em Grey’s Anatomy por quatorze temporadas. Acredita no poder da Comunicação e no papel social do artista. É apaixonada por manifestações artísticas e, em paralelo à profissão, exerce a paixão pelo teatro e pela literatura. É uma dos seis escritores do livro “Pôquer a seis”, lançado em março de 2018 e escreve textos para a distopia Literalmente (https://medium.com/literalmente).

 

Orgulho e Paixão: a luta feminina no agradável e agressivo interior

Minha primeira aproximação com Orgulho e Paixão foi por saber que seria inspirada no livro Orgulho e preconceito de Jane Austen, que já estava na minha lista há meses, e terminei-o quando a novela já tinha começado. Este romance não foi a única inspiração de Marcos Bernstein. O autor reuniu características de personagens e universos de outros livros de Jane, como: Emma, Razão e Sensibilidade, Lady Susan e Northanger Abbey. Mas, apesar de menos assistida que as obras anteriores do horário das 18h (ou 18h15 ou 18h30…) e ela vêm conquistando o público e terá mais duração que sua antecessora, Tempo de Amar.

Críticas à parte, a novela sobra em sensibilidade nas falas dos personagens, principalmente das personagens femininas. A maioria se reúne no interior, cidade fictícia chamada Vale do Café. Ambientada em 1910, expõe uma sociedade apegada a valores, sobrenomes e tradições. “Em uma época cheia de regras, elas faziam as delas” – já dizia a chamada da novela. É sobre elas e é nelas o seu ponto alto.  “Acho que as mulheres já conquistaram muitas coisas, mas elas estão em um momento onde elas precisam dessa inspiração, de mulheres poderosas, mulheres que vão à luta” – resumiu Gabriela Duarte na coletiva de lançamento da novela. Falando em Gabriela, é por ela que começamos a falar de nossas guerreiras.

 Julieta

Interpretada por Gabriela Duarte.

Orgulho e Paixão Julieta
Gabriela Duarte como Julieta (foto: divulgação/TV Globo)

“O senhor não sabe o que uma mulher como eu precisa aguentar, calada, para sobreviver nesse mundo de homens”.

Vítima de um estupro que a fez engravidar aos 16 anos, foi obrigada a casar-se com o agressor e criou, sozinha, o filho depois da morte do marido. Ainda construiu, sozinha, um império que muitos atribuem ao trabalho do marido, Ela, inclusive, assina com o seu sobrenome de casamento. Preciso dizer mais alguma coisa? Julieta, que para muitos é uma vilã, mostra o que anos de abuso físico e moral causam nas mulheres. Criou o filho por meio de uma distância amorosa e é constantemente subjulgada em reuniões de negócios com os homens. É dona do título Rainha do Café e vem desenvolvendo cenas de grande tensão. Ela por si só já daria uma análise.

 

Elisabeta

Interpretada por Natália Dill.

Orgulho e Paixão Elisabeta
Nathália Dill como Elisabeta (foto: divulgação/TV Globo)

“Eu acho que tenho o direito de viver minhas próprias experiências. (…) Eu desejo tudo que a vida tem a me oferecer.”

Protagonista da novela, Elisabeta deseja o mundo. Fugindo dos sonhos de sua mãe e irmãs, a mais velha dos Benedito luta para conseguir um emprego e recusa, por várias vezes, o pedido de casamento do homem que inclusive ela ama. Decidida, começa a escrever em um jornal de São Paulo histórias de mulheres batalhadoras e decide ter a primeira noite com o homem que ama mesmo sem se casar com ele (uma raridade pra época é válido lembrar).

 

Ema

Interpretada por Agatha Moreira.

Orgulho e Paixão Ema.jpg
Ágatha Moreira como Ema (foto: divulgação/TV Globo)

“Nada está acima das pessoas que eu amo.”

A luta feminista não é contra o casamento, mas contra a falta de liberdade das escolhas das mulheres. A força de Ema é a prova disso. Casamenteira de plantão, ela é responsável por casar parte de suas amigas. Criada em uma família tradicional, bate no peito por defender seu sonho de se casar e cuidar da família. Tendo o casamento como prioridade, a baronesinha não perde em nada por pensar assim. Sua personagem é a prova de que liberdade é liberdade, seja em qualquer direção.

 

Jane

Interpretada por Pâmela Tomé.

Orgulho e Paixão Jane
Pamela Tomé como Jane (foto: divulgação/TV Globo)

“Eu não abrigo maus sentimentos em meu coração”.

Jane é a personificação do sentimento de delicadeza. A sua maneira, ela não fica atrás das mulheres corajosas, mas segue a linha de seu coração e isso, não depõe contra a menina Benedito. Vindo de uma família de classe média, apaixonou-se logo no início da novela por um homem rico, lutou contra as exigências da época, casou-se e escolheu perder a virgindade com ele só depois da celebração. Para ajudar nas contas de casa, começou a trabalhar de lavadeira. É sutil, com um olhar fraternal e uma crença no outro insuperável. Jane comprova o poder das pessoas de coração.

 

Ludmila

Interpretada por Laila Zaid.

Orgulho e Paixão Ludmila
Laila Zaid como Ludmila (foto: divulgação/TV Globo)

“Vou te mostrar como as tradições nos limitam”

Ludmila é a típica mulher moderna da época de 1910. Usa calça, em um mundo de saias e administra uma fábrica perante um conselho administrado por homens. Fuma, namora vários homens sem casar com eles e incentiva suas amigas e buscarem suas independências. É irônica, inteligente e com a língua bem afiada. É uma personagem secundária que, quando em cena, não deixa de ser notada.

Além das cinco aqui citadas, ainda temos muitas outras, e elas ainda irão aparecer. Orgulho e Paixão é transmitida de segunda a sábado, às 18h30, na TV Globo.

 

Autora do texto:

Mariana VirgílioMariana Virgílio é Jornalismo, capricorniana, noveleira e formada em Grey’s Anatomy por quatorze temporadas. Acredita no poder da Comunicação e no papel social do artista. É apaixonada por manifestações artísticas e, em paralelo à profissão, exerce a paixão pelo teatro e pela literatura. É uma dos seis escritores do livro “Pôquer a seis”, lançado em março de 2018 e escreve textos para a distopia Literalmente (https://medium.com/literalmente).